Nutrologia e Endocrinologia

A Nutrologia Esportiva é a medicina que cuida do equilíbrio dos nutrientes no esporte e em todas atividades físicas.

Utiliza para isso os conhecimentos da fisiologia e da bioquímica para corrigir deficiências ou excessos de nutrientes, visando melhor performance tanto de atletas de elite quanto de sedentários.

Entre os principais objetivos da nutrologia esportiva estão: promover a saúde, melhorar o desempenho e otimizar a recuperação após os exercícios, tendo a alimentação como um dos aliados mais importantes na conquista dos resultados.

Tanto as pessoas que vão praticar exercícios físicos meramente recreativos como aquelas que querem competir, necessitam ter estrutura muscular adequada, equilíbrio dos macronutrientes como proteínas, gorduras e carboidratos, além dos micronutrientes e vitaminas.

Endocrinologia e Terapia de Reposição Hormonal – Implantes Hormonais

Na reposição hormonal, a suplementação se dá através de hormônios e outros nutrientes, como aminoácidos, vitaminas e antioxidantes buscando atingir níveis hormonais compatíveis com os de nossa juventude ou inicio da vida adulta. Os hormônios utilizados para terapia são os conhecidos como bioidênticos, aqueles exatamente iguais aos produzidos por nossas glândulas. A engenharia genética ajudou muito nesse processo.

Existem sete grandes pausas (em analogia à menopausa) que podem acometer os seres humanos a partir dos 25-30 anos de idade. A partir daí formamos um registro, como a nossa impressão digital, considerando a forma como essas quedas de hormônios ocorrem, a intensidade, qual está caindo mais ou menos.

Por isso é tão importante que cada pessoa tenha um tratamento hormonal adequado! Dosar hormônios é tão importante quando dosar glicemia, hemograma, colesterol. A dosagem hormonal deve fazer parte da rotina médica.

E quem começa a fazer uso da terapia hormonal não significa que terá de fazê-la a vida toda. O uso dos hormônios vai seguir uma rotina de avaliações periódicas. Depois de montado o programa de modulação hormonal,  o paciente é orientado a voltar ao consultório num prazo máximo de 60 dias, para reavaliações clínicas e laboratoriais.