Menopausa e a Saúde da Mulher

O que é Menopausa?

A menopausa é o fim do ciclo reprodutivo feminino e geralmente é diagnosticada quando a mulher não tem o seu ciclo menstrual por um período de 12 meses ou mais. A idade média para o início da menopausa é 51 anos, mas pode acontecer também mais cedo a partir dos 30 anos. O método mais preciso de determinar se uma mulher está na menopausa é medir a quantidade de hormônio folículo estimulante, o FSH no nível sanguíneo.

Na menopausa, os ovários produzem menos hormônios, que causam uma série de mudanças no corpo de uma mulher. A remoção cirúrgica dos ovários e outras condições médicas e tratamentos podem também induzir a menopausa.

As flutuações dos hormônios estrogênio, progesterona e testosterona podem causar irregularidades no período menstrual e se tornar um peso na vida da mulher. Outros sintomas com fogachos(calores no corpo), suores noturno, mudanças de humor, falhas de memória e dores de cabeça, podem começar a aparecer.

A importância do estrogênio

As mulheres geralmente tem um baixo risco para as doenças cardiovasculares até a menopausa, cerca de 50 anos, quando seus níveis de estrogênio diminuem e a relação de estradiol para estrona ficam fora de controle.

Menopausa e desequilíbrio de estrogênio também estão associados com a osteoporose, o câncer de mama e outros problemas graves de saúde.

As pesquisas indicam que além da proteção das artérias do coração, o estrogênio protege contra o declínio cognitivo durante o envelhecimento e contra a Doença de Alzheimer. A razão mais comum para que as mulheres apresentam maior risco para desenvolver a doença de Alzheimer é a reduzida produção de estrogênio após a menopausa. A reposição hormonal de estradiol esta associada com a diminuição do risco de desenvolver esta grave doença.

Permanecer Saudável na velhice depende de vários fatores, incluindo o estilo de vida e a genética. Precisamos repor o que o corpo precisa com suplementos de vitaminas e minerais. É também por isso que a reposição hormonal é importante para restaurar o equilíbrio interno. Muitos médicos simplesmente concentram em aliviar os sintomas com comprimidos farmacêuticos, injeções, gel transdérmico e adesivos. No entanto, para voltar a equilibrar o corpo, ele precisa de substâncias hormonais reconhecidas e um método de liberação de precisão para transportá-los através do fluxo sanguíneo de acordo com as necessidades do organismo.

O mais seguro e eficaz método é a terapia de reposição hormonal isomolecular, usando implantes de pellets de estradiol e testosterona podemos restaurar os níveis hormonais benéficos que o corpo necessita. Implantes de pellets hormonais consistem de baixa dosagem de estradiol e testosterona que liberam lentamente durante 6 meses, 24 horas, 7 dias por semana. Este é o único método de Terapia de Reposição Hormonal Isomolecular que pode liberar mais hormônio quando o corpo necessita.

Depois de décadas de tratamentos com mulheres e homens com este método, observarmos os impactos de mudança e qualidade de vida. A Terapia de Implantes Hormonais mudou a vida de milhares de pacientes, ajudando a reverter a osteoporose grave, melhorar a vida de pacientes com diabetes, hipertensão, obesidade, diminuição da libido sexual ou simplesmente ajudou a revitalizar o próprio casamento. Muitos paciente dizem que receberam de volta o que achavam que haviam perdido para sempre – a sua qualidade de vida.

http://www.dhiogoseronni.com.br

Implantes Hormonais Sub Cutâneos

Descubra o poder dos implantes
Natural, seguro e eficaz

O que é implante hormonal?

Você sabia que a terapia de reposição hormonal usando implantes sub cutâneos tem sido realizada há mais de 70 anos? De fato, muitos cientistas tem publicado artigos científicos com avaliações positivas dos benefícios desse tipo de terapia por jornais reconhecidos internacionalmente há décadas.

A terapia com implantes isomoleculares foi desenvolvida na Europa nos anos de 1930. E provou-se ser um tratamento excelente para as deficiências hormonais, especialmente na menopausa. Foi o médico altamente respeitado e pioneiro da endocrinologia, Dr. Robert B. Grennblatt, quem estudou e desenvolveu esse método, e o apresentou aos seus colegas norte -americanos em 1939. Hoje, médicos de todo o mundo, usam os implantes hormonais subcutâneos para restabelecer o equilíbrio hormonal em homens e mulheres de todas as idades.

E o melhor de tudo, de uma maneira natural, segura e eficaz.

Seguros, eficazes, e a conveniente Terapia de Reposição Hormonal por Hormônios isomoleculares (TRHI)
Quando administrados corretamente, o sistema de liberação dos implantes subcutâneos promove uma TRHI segura e eficaz. Na verdade esta via de administração permanence como a única via de liberação hormonal que mais se aproxima do que os ovários e testículos humanos fazem naturalmente. Esse método assegura a mesma liberação continua, 24hs por dia, 7 dias por semana, em pequenas dosagens semelhantes ao que o corpo humano costuma fazer. Você nao tem que colar adesivos de hormônios na pele, se “lambuzar” com cremes, ou lembrar-se de tomar pílulas. E ainda, você estará livre das variações hormonais de altos e baixos (efeito montanha-russa), no sangue, causadas pelos outros tipos de terapia. Os implantes hormonais ainda liberam hormônios no sangue, conforme a necessidade de cada momento do corpo humano, liberando mais ou menos hormônios quando muito ou pouco requisitados, por exemplo, durante exercicios e stress (muito) e no repouso (pouco), trazendo melhores e mais seguros resultados clínicos.

Evite a montanha-russa hormonal

Muitos pacientes em uso de cremes, pílulas, injeções e adesivos, descobrem que seu tratamento hormonal pode fazer surgir efeitos colaterais com o passar do tempo. Os métodos que não usam implantes, liberam uma quantidade de dosagem hormonal irregular e imprecisa, o que produz um efeito semelhante a uma montanha russa, com o sobe e desce nos níveis hormonais do sangue desses pacientes.

Ao longo do tempo, hormônios” extras” que estavam armazenados no corpo, podem voltar ao sistema sanguineo e isto pode causar uma progressiva sobre dosagem(doses em excesso). Esta situação pode causar uma cascata de desequilíbrios e problemas ainda piores do que os problemas iniciais os quais se tentava resolver!

A liberação contínua, de doses regulares e estáveis, realizada pelos implantes da maneira tal qual o seu corpo necessita, é o grande diferencial desta via de administração hormonal. Após decádas de experiência clínica, nós concluímos que esta é a única via de administração de reposição hormonal confiável, quando se visa garantir níveis de hormônios no corpo de uma maneira otimizada e equilibrada.

Junte-se a mais de 100 mil pacientes em todo mundo que têm assumido o controle de sua saúde.

Agende sua consulta online hoje mesmo.

Chip da Beleza, Implante Hormonal

Chip da Beleza – Implante Hormonal


Chip da beleza – Conheça a nova aposta Feminina
Já imaginou ficar livre da cólica menstrual, TPM, inchaço e celulite de uma só vez? Um novo método recheado de promessas rápidas tem seduzido as mulheres. Trata-se do chip da beleza, nome pelo qual ficou conhecido o implante hormonal de gestrinona que arrebatou celebridades no Brasil.

Sofre de TPM? Então conheça o implante hormonal de gestrinona
Graças ao apelido que recebeu, o chip da beleza tem fascinado mulheres que melhoraram a qualidade de vida.
Apesar do nome, o implante hormonal não é um chip de fato, mas sim um pellet cuja implementação se dá através de uma microincisão na região da nádega.

O implante hormonal não é vendido nas farmácias comuns. A indicação para uso é feita por profissionais médicos especializados, os quais desenvolvem uma fórmula personalizada a paciente.

O tratamento, desenvolvido originalmente como método contraceptivo, hoje também é procurado para aumentar a libido, tonificar a musculatura, queimar gorduras e eliminar a celulite.

Síndrome Metabólica: Excesso de Peso, Diabetes, Hipertensão Arterial, Colesterol Alto

A Síndrome Metabólica é a combinação da Obesidade, Hipertensão Arterial, Diabetes e Colesterol Alto que colabora para aumentar o risco de outras doenças como o Infarto do Coração e o Derrame Cerebral que são as principais causas de mortalidade nos dias de hoje.

Estudo concluíram que a Síndrome Metabólica pode causar problemas hormonais, isto porque pacientes obesos possuem muita gordura visceral. Esse tipo de gordura causa resistência à ação da insulina levando ao Diabetes e a Hipertensão Arterial.

Com a presença de gordura abdominal, o corpo começa a recusar a ação da insulina, que aumenta na circulação provocando a resistência a insulina, ou seja o pré diabetes. A insulina elevada provoca a diminuição da produção de Testosterona.

A gordura na barriga também promove a transformação da testosterona em outros tipos de hormônios prejudiciais a saúde e diminuindo ainda mais a sua produção.

Estudos Internacionais mostram que a queda dos níveis de testosterona não está associado só ao avanço da idade, mas também a Síndrome Metabólica.

Ao mesmo tempo, descobriu-se que a testosterona pode ter impacto muito favorável na distribuição da massa óssea, massa muscular e provocando a perda de gordura corporal melhorando a secreção da insulina da pressão arterial e do diabetes.

A Síndrome Metabólica pode levar a deficiência de testosterona e a deficiência de testosterona pode levar a Síndrome Metabólica, gerando um círculo vicioso. Mas a terapia hormonal, combinada com uma dieta balanceada e práticas de atividade física regular resulta no alívio dos sintomas e controle da Síndroma Metabólica.

Os pacientes diagnosticado com a Síndrome Metabólica devem fazer os exames regulares para verificar seus níveis hormonais, de colesterol, glicemia, níveis de pressão arterial. E claro, perder peso e praticar atividade física para reduzir a gordural abdominal.

www.dhiogoseronni.com.br

Implantes Hormonais – Hormônio Isomolecular

Permanecer saudável até a velhice depende de muitas coisas, incluindo estilo de vida saudável e genética. Também faz todo o sentido reabastecer o que o corpo precisa. É por isso que nós suplementamos vitaminas e minerais. É também por isso que usamos a Terapia de Reposição Hormonal para restaurar o equilíbrio interno. Muitos médicos se concentram em simplesmente aliviar os sintomas com remédios farmacêuticos, adesivos, injeções ou cremes. No entanto, a fim de restituir o corpo ao equilíbrio, ele precisa de substâncias hormonais reconhecíveis e de um método de entrega preciso para transportá-las pela circulação sangüínea o tempo todo. De longe, o método mais seguro, mais eficaz e conveniente é a reposição hormonal isomolecular: adequadamente administrada usando implantes de pellets pode restaurar os níveis benéficos de hormônios que seu corpo necessita. Os implantes consistem em baixas doses de estradiol e testosterona que liberam lentamente no seu organismo.

Após décadas tratando mulheres e homens com esse método, testemunhamos em primeira mão a terapia de implante de impacto que mudou a vida de milhares de pacientes – e ajudou a reverter a osteoporose grave, ganho de massa muscular, perda de gordura corporal, ou simplesmente ajudou a reviver um casamento. Muitos dizem que receberam de volta o que pensaram ter perdido para sempre – sua qualidade de vida.

Utilizamos tecnologia de última geração segura para fornecer a você tratamento e atendimento personalizados ao paciente. Ninguém conhece o seu corpo melhor que você. Ajudamos você a se reconectar com o melhor que puder em qualquer idade. Não deixe que o desequilíbrio hormonal tire sua qualidade de vida – assuma o controle hoje com a Terapia de Reposição Hormonal. Você é um ser original e único. Nossa terapia de implante hormonal é adaptada às necessidades individuais e precisas do paciente.

www.dhiogoseronni.com.br

Estudo aponta que apenas Praticar Exercício Físico não garante Perda de Peso


Uma pesquisa publicada pelo American Journal of Clinical Nutrition (Jornal Americano de Nutrição Clínica, traduzida do inglês) e realizada por pesquisadores do Pennington Biomedical Research Center (Centro de Pesquisa Biomédica Pennington) em Louisiana, nos Estados Unidos, mostrou que quanto mais nos exercitamos mais temos a necessidade de comer e, por isso, muitas pessoas não conseguem alcançar o objetivo final de perder peso e se frustram.

O estudo foi realizado com 171 homens e mulheres sedentários, com excesso de peso e idades entre 18 e 65 anos. Neles foram medidos peso, taxas metabólicas de repouso, níveis típicos de fome, condicionamento aeróbico e ingestão diária de alimentos e gasto de energia.

Os participantes foram divididos em três grupos: o primeiro continuou com sua rotina normal, já o segundo e o terceiro iniciaram programas de exercícios supervisionados de menor e maior intensidade, respectivamente. Durante o estudo os participantes podiam comer como quisessem.

Durante todo o tempo, os voluntários usavam monitores de atividade e os pesquisadores verificavam periodicamente suas taxas metabólicas, consumo de energia e condicionamento físico. E, enquanto isso, os voluntários podiam comer como quisessem.

Ao final do processo, todos foram reavaliados. Como esperado, os participantes que mantiveram suas rotina, não apresentaram alterações. Porém, o resultado foi quase o mesmo na maioria dos praticantes que entraram nos programas de exercício. Cerca de dois terços dos que estavam no grupo de exercícios mais curtos perderam alguns quilos. E 90% dos que estavam no grupo de exercícios mais longos não atingiram o objetivo esperado, pois tinham compensado a queima extra de calorias comendo mais.

As calorias extras foram pequenas — cerca de 90 calorias adicionais por dia para o grupo de exercícios moderados, e 125 por dia para o grupo com exercícios mais intensos. Mas isto foi o suficiente para não atingirem a expectativa.

Quando a demanda do corpo aumenta, é preciso priorizar a qualidade da alimentação. Caso o aumento só ocorra na quantidade, há grande risco de comprometer o emagrecimento.

https://www.dhiogoseronni.com.br

Longevidade Saudável

O médico norte-americano, Dr. Jeffrey Life ensina dieta e exercícios para ficar em forma e driblar a passagem dos anos.

Aos 59 anos, Jeffry estava obeso, hipertenso, com alto índice de colesterol e diabético. O médico norte-americano mal conseguia subir alguns andares de escada sem perder o fôlego. Quem vê Jeffry Life hoje, aos 74 anos, 30kg a menos, lutador de Krav Magá, halterofilista e praticante de pilates, mal consegue acreditar na mudança. “Estava em péssima forma. Hoje sou um ícone”, afirma.

O primeiro passo para essa transformação foi introduzir a prática de exercícios físicos diários e a modificação na alimentação. “Antigamente, eu comia fast-food, comidas com grande quantidade de açúcar. Agora eu como comidas com pouco açúcar e pouca gordura. E faço quatro ou cinco pequenas refeições ao dia”, ensina ele.

Além dos dois hábitos saudáveis, Dr Life, como gosta de ser chamado, conheceu a medicina antienvelhecimento e passou a praticá-la depois de comprovar seus benefícios no próprio corpo. “Corrigi o nível de testosterona e de hormônio do crescimento e levei meu físico a outro patamar”, atesta. Alcançou força, elasticidade, equilíbrio, reverteu a diabetes, tem índices normais de pressão e ganhou desempenho sexual. “Estou melhor do que quando tinha 30 anos”, diz.

Saiba quais Hormônios Interferem na Perda de Peso e como Controlá-los

Quando pensamos em emagrecer, dieta e atividade física são as duas coisas que logo vêm a cabeça. Mas o processo de perda de peso depende de muitos fatores, entre eles o bom funcionamento do nosso metabolismo, que é regulado por hormônios.

Sim, as substâncias produzidas por nosso corpo são essenciais para que o organismo trabalhe bem e os quilos na balança diminuam. A seguir, mostramos como algumas delas interferem na perda de peso e o que fazer para mantê-las equilibradas naturalmente. Mas atenção: se você desconfiar de algum problema hormonal, procure um médico. E, em hipótese alguma, faça suplementação por conta própria.

Cortisol
O que é Produzido pelas glândulas adrenais (ou suprarrenais), tem como função ajudar o organismo a controlar o estresse –físico, emocional ou ambiental –, estimular os batimentos cardíacos e manter o nível de açúcar no sangue constante. Basicamente, ele é liberado sempre que o cérebro identifica uma situação de perigo.

Como afeta a perda de peso O nível elevado de cortisol pode aumentar seu desejo por doces ou carboidratos refinados, já que seu corpo entende que precisa de energia rápida para encarar a situação de perigo que está enfrentando (mas muitas vezes não está). Ele ainda estimula o fígado a produzir glicose (açúcar) para aumentar o nível dessa substância no sangue, que por não ser usada depois é acumulada como gordura –especialmente na barriga.

Como controlar naturalmente Para diminuir o nível do hormônio do estresse, a principal recomendação é relaxar. É possível conseguir isso com um hobby, momentos de lazer na rotina e atividade física. No entanto, o treino deve ter até uma hora de duração, pois exercícios longos geram grande estresse no organismo e estimulam a produção de cortisol. Também é importante cuidar do sono e da alimentação.

GH
O que é Hormônio do crescimento, produzido pela hipófise, glândula localizada na parte inferior do cérebro, em picos no período noturno. Ele promove tanto o crescimento longitudinal ou linear (altura) quanto o das células –inclusive a dos músculos. Também estimula a transformação de gordura em energia.

Como afeta a perda de peso Ele é importante para o aumento do tecido muscular. E quanto mais músculos você tem, maior o seu gasto calórico em repouso.

Como controlar naturalmente É preciso fazer exercício físico, dando preferência aos treinos rápidos e intensos, e dormir bem, já que o GH é secretado de madrugada, por volta das 2h.

Grelina
O que é Hormônio do apetite, liberado momentos antes das refeições, para avisar ao cérebro que está na hora de comer. Também desempenha papel no controle energético (equilíbrio entre consumo e gasto calórico).

Como afeta a perda de peso No funcionamento normal, a grelina começa a subir quando o estômago está vazio e se estabiliza cerca de uma hora depois que a pessoa se alimenta. Quando ela está desregulada, seu apetite aumenta e você tende a comer muito mais do que precisa.

Como controlar naturalmente Não dá para atuar diretamente nesse hormônio, mas o que sempre ajuda é comer quando se tem fome e parar quando estiver saciado; cuidar do sono; praticar atividade física e ter uma alimentação equilibrada, evitando os regimes restritivos.

Insulina
O que é Hormônio fabricado pelo pâncreas, cujas principais funções são controlar a glicose (açúcar) na corrente sanguínea e transportá-la para dentro das células, para que seja usada como combustível ou, quando há sobra, armazenada como gordura.

Como afeta a perda de peso Existem várias razões para o aumento da insulina no organismo, sendo que as principais são estresse e má alimentação (consumo exagerado de carboidratos simples). O seu “mau funcionamento” pode estimular o estoque de gordura, em especial na barriga, e provocar o ganho de peso.

Como controlar naturalmente Praticar atividade física com frequência, consumir carboidratos complexos (grãos integrais, batata-doce) e evitar doces, pães e carboidratos refinados. Também é indicado em toda refeição ter uma fonte de proteína (carnes, ovo, leite) e gorduras boas (azeite, castanhas).

Leptina
O que é Hormônio da saciedade, secretado pelo tecido adiposo branco (células de gordura). É o principal sinalizador do estoque de gordura corporal. Ele avisa o centro de saciedade do cérebro, o hipotálamo, quando há bastante gordura armazenada, evitando, assim, que se coma além da conta. A leptina ainda ajuda a potencializar o metabolismo da glicose e das gorduras.

Como afeta a perda de peso Os níveis de leptina são mais baixos em pessoas magras e mais alto nas obesas. Porém, muitos que estão acima do peso têm um mecanismo de resistência ao efeito supressor do apetite deste hormônio. O que também desregula a sua produção é ficar longos períodos em jejum e comer menos do que o necessário.

Como controlar naturalmente Assim como acontece com a grelina, não dá par atuar diretamente neste hormônio. Porém, manter hábitos saudáveis –o que significa praticar atividade física regularmente e ter uma alimentação equilibrada, evitando dietas restritivas — é benéfico para manter o nível adequado dessa substância.

Melatonina
O que é Conhecida como o hormônio do sono, tem como funções regular o momento de dormir e participar da reparação das células. A melatonina é liberada no período noturno –está relacionada com a ausência de luz — e importantíssima para o bom funcionamento do metabolismo.

Como afeta a perda de peso Não dormir bem interfere em diversas funções do organismo, entre elas a produção de hormônios importante para o emagrecimento como GH, testosterona e grelina. A falta de horas adequadas de descanso também aumenta o estresse no organismo, o que estimula a produção de cortisol –que você já viu que atrapalha a perda de peso.
Como controlar naturalmente Dormir sempre no mesmo horário e manter o quarto tranquilo e totalmente escuro são maneiras de estimular a produção de melatonina. Procure desligar os aparelhos eletrônicos cerca de uma a duas horas antes de ir para a cama.

T3 e T4
O que são Hormônios produzido pela tireoide, glândula localizada no pescoço. O T3 (tri-iodotironina) e o T4 (tetra-iodotironina) são uma espécie de combustível para o corpo e responsáveis por regular todo o organismo, desde os batimentos cardíacos e a temperatura corporal até o raciocínio e a fertilidade.

Como afetam a perda de peso Quando estão baixos, o metabolismo fica mais lento, o que diminui o gasto calórico em repouso e pode levar ao ganho de peso. O descontrole do T3 e do T4 é causado por predisposição genética e doenças (Hashimoto e Graves).

Como controlar naturalmente Com o consumo de nutrientes que favorecem a sua produção, como magnésio (cereais de trigo), aminoácidos (presentes na carne, no leite e no ovo) e selênio (oleoginosas, salmão e ostra). Fora isso, é importante não fumar e evitar a ingestão sem orientação de remédios para emagrecer que tenham compostos com ação na tireoide.

Testosterona
O que é Hormônio masculino, produzido nos testículos e, em menor quantidade, nas glândulas suprarrenais. Atua na formação da massa muscular e na queima de gordura, oferece energia, melhora a memória e é responsável por promover as características físicas dos homens.

Como afeta a perda de peso É essencial para a construção e manutenção dos músculos, que elevam seu gasto calórico em repouso. Além disso, a testosterona ajuda a manter a disposição em alta para treinar.

Como controlar naturalmente Treinos mais curtos e intensos, principalmente os que levantam peso, e exercícios que recrutam grande volume de massa muscular (agachamento, levantamento terra, supino) estimulam a síntese de testosterona. Uma dieta rica em proteína magra, carboidratos complexos e gordura saudável também é importante. O estresse prejudica a produção de testosterona, por isso procure controlar a tensão.

Fontes: Maria Edna de Melo, presidente do departamento de Obesidade da Sbem (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia); Renato Zilli, endocrinologista do Hospital Sírio Libanês; e Ricardo Teixeira Di Rienzo, endocrinologista do Hospital Santa Catarina.

Atividade Física Aumenta a Sensação de Bem-Estar

É muito comum ouvir as pessoas dizerem que não gostam de praticar atividade física, e por isso levam uma vida sedentária, mesmo sabendo a importância que os exercícios têm sobre a saúde.

Baixos índices de atividades físicas entre a população de um país são melhores indicadores de mortalidade do que problemas como obesidade ou hipertensão.

Por isso, os níveis de exercícios devem ser considerados como um sinal vital, e o hábito precisa ser mais frequentemente aconselhado aos pacientes pelos profissionais de saúde. Essas são as conclusões de um estudo feito por um time de pesquisadores de universidades dos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Noruega, que buscaram mensurar a influência do esporte sobre a saúde da população mundial.

É provado cientificamente que ao praticarmos exercícios, o nosso organismo libera várias substâncias, como a endorfina, que promovem o bem-estar.

Segundo o Ministério da Saúde, o estilo de vida é responsável por 54% do risco de morte por cardiopatia, 50% pelo risco de morte por acidente vascular cerebral, 37% pelo risco de morte por cancro e, no total, por 51% do risco de morte de um indivíduo.

É provado cientificamente que ao praticarmos exercícios, o nosso organismo libera várias substâncias, como a endorfina, que promovem o bem-estar, aumentando nossa motivação, alegria e disposição. Esses hormônios fazem a sensação de bem-estar durar por horas após a corrida. Muitas pessoas, que não tem conhecimento disso, recorrem em muitos momentos a medicações, e até mesmo a suplementos vitamínicos, quando se sentem tristes.

Mudar o estilo de vida, olhar para o mundo de outra forma, fazer as pazes com seu corpo, aumenta autoestima, promovendo a felicidade.

Emagrecer x Perder Peso: Entenda a Diferença

A maioria das pessoas acha que perder peso e emagrecer são a mesma coisa. A visão porém, não poderia ser mais equivocada, como alerta o fisiologista e personal trainer Givanildo Holanda Matias.

“Perder peso tem uma relação apenas com a diminuição da massa corporal total, quando é observado o resultado negativo na balança. Já o emagrecimento está relacionado à redução de qualquer quantidade de gordura corporal”, explica o especialista.

“Em alguns casos pode até acontecer da pessoa reduzir seu peso na balança, mas engordar porque a quantidade de gordura corporal ao invés de ser reduzida, aumentou”, acrescenta.

Por isso, se você não está satisfeito com suas medidas, o mais saudável – e eficaz – é procurar emagrecer. Para isso, é necessário encarar um programa de exercícios com predominância de atividades aeróbias, durante as quais a principal fonte de energia utilizada é a gordura. Junto com isso, também é interessante desenvolver um trabalho para fortalecer a musculatura e não perder a massa muscular.

“Pessoas que só realizam atividade aeróbia correm o risco de, junto com a gordura, perderem massa muscular e isso pode ser considerado como um prejuízo na maioria dos casos”, alerta o fisiologista.

Alguns estudos mostram que pessoas que buscam emagrecer apenas à base de dieta, chegam a ter 50% da redução do peso vinda da perda de massa muscular. Portanto, assim como o treino, toda dieta deve ser adequada à realidade de cada um, através de um programa elaborado por um profissional.

Outro problema de quem quer diminuir as medidas é treinar demais sem se alimentar o suficiente. “É comum pessoas que querem emagrecer ficarem mais de duas horas malhando e reduzirrem bruscamente a ingestão de alimentos. Essa situação pode fazer o organismo usar, além da gordura, a massa muscular como fonte de energia”, afirma o personal trainer.

Mas depois de todo o empenho e esforço, como saber se você realmente emagreceu? Para ter essa informação é necessário realizar uma análise da composição corporal, na qual seu corpo será dividido em dois compartimentos -massa gorda, que é todo tecido constituído de gordura, e massa magra, que é o que sobrou, envolvendo principalmente músculos, ossos, sangue, órgãos e vísceras.

“Essa análise pode ser feita por nutricionistas, endocrinologistas ou professores de educação física. Os métodos mais comuns de saber dos resultados são a medição das dobras cutâneas, bioimpedância elétrica e densitometria”, finaliza Givanildo.