Estudo aponta que apenas Praticar Exercício Físico não garante Perda de Peso


Uma pesquisa publicada pelo American Journal of Clinical Nutrition (Jornal Americano de Nutrição Clínica, traduzida do inglês) e realizada por pesquisadores do Pennington Biomedical Research Center (Centro de Pesquisa Biomédica Pennington) em Louisiana, nos Estados Unidos, mostrou que quanto mais nos exercitamos mais temos a necessidade de comer e, por isso, muitas pessoas não conseguem alcançar o objetivo final de perder peso e se frustram.

O estudo foi realizado com 171 homens e mulheres sedentários, com excesso de peso e idades entre 18 e 65 anos. Neles foram medidos peso, taxas metabólicas de repouso, níveis típicos de fome, condicionamento aeróbico e ingestão diária de alimentos e gasto de energia.

Os participantes foram divididos em três grupos: o primeiro continuou com sua rotina normal, já o segundo e o terceiro iniciaram programas de exercícios supervisionados de menor e maior intensidade, respectivamente. Durante o estudo os participantes podiam comer como quisessem.

Durante todo o tempo, os voluntários usavam monitores de atividade e os pesquisadores verificavam periodicamente suas taxas metabólicas, consumo de energia e condicionamento físico. E, enquanto isso, os voluntários podiam comer como quisessem.

Ao final do processo, todos foram reavaliados. Como esperado, os participantes que mantiveram suas rotina, não apresentaram alterações. Porém, o resultado foi quase o mesmo na maioria dos praticantes que entraram nos programas de exercício. Cerca de dois terços dos que estavam no grupo de exercícios mais curtos perderam alguns quilos. E 90% dos que estavam no grupo de exercícios mais longos não atingiram o objetivo esperado, pois tinham compensado a queima extra de calorias comendo mais.

As calorias extras foram pequenas — cerca de 90 calorias adicionais por dia para o grupo de exercícios moderados, e 125 por dia para o grupo com exercícios mais intensos. Mas isto foi o suficiente para não atingirem a expectativa.

Quando a demanda do corpo aumenta, é preciso priorizar a qualidade da alimentação. Caso o aumento só ocorra na quantidade, há grande risco de comprometer o emagrecimento.

https://www.dhiogoseronni.com.br

Longevidade Saudável

O médico norte-americano, Dr. Jeffrey Life ensina dieta e exercícios para ficar em forma e driblar a passagem dos anos.

Aos 59 anos, Jeffry estava obeso, hipertenso, com alto índice de colesterol e diabético. O médico norte-americano mal conseguia subir alguns andares de escada sem perder o fôlego. Quem vê Jeffry Life hoje, aos 74 anos, 30kg a menos, lutador de Krav Magá, halterofilista e praticante de pilates, mal consegue acreditar na mudança. “Estava em péssima forma. Hoje sou um ícone”, afirma.

O primeiro passo para essa transformação foi introduzir a prática de exercícios físicos diários e a modificação na alimentação. “Antigamente, eu comia fast-food, comidas com grande quantidade de açúcar. Agora eu como comidas com pouco açúcar e pouca gordura. E faço quatro ou cinco pequenas refeições ao dia”, ensina ele.

Além dos dois hábitos saudáveis, Dr Life, como gosta de ser chamado, conheceu a medicina antienvelhecimento e passou a praticá-la depois de comprovar seus benefícios no próprio corpo. “Corrigi o nível de testosterona e de hormônio do crescimento e levei meu físico a outro patamar”, atesta. Alcançou força, elasticidade, equilíbrio, reverteu a diabetes, tem índices normais de pressão e ganhou desempenho sexual. “Estou melhor do que quando tinha 30 anos”, diz.